Promovendo Saúde

Hipertensão

Imagem de estetoscópio em forma de coração.

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA?

É quando a pressão que o sangue faz na parede das artérias (condutos que saem do coração levando sangue com oxigênio e substâncias para nutrir os órgãos), para se movimentar, é muito forte, acima dos valores considerados normais. A pressão alta acarreta, com o tempo, rigidez, perda da elasticidade nas artérias afetando coração, pulmões e rins, causando várias complicações como: angina, ataque cardíaco, insuficiência renal, etc.

COMO SE FAZ A MEDIÇÃO DA PRESSÃO?

A medição se faz através de aparelhos calibrados, utilizados por profissional capacitado. Essa medição é feita por dois números. O primeiro número marca a pressão sistólica ou máxima, quando o coração bate (contração) e o segundo pressão, diastólica ou mínima, quando o coração relaxa (relaxamento). A pressão deverá ser medida em ambiente tranqüilo, após repouso de 5 minutos, com o braço (da medição) apoiado em uma mesa na altura do coração, as costas apoiadas na cadeira e os pés encostados no chão, a bexiga vazia, não se deve fumar e nem tomar café.

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO?

É comum ser feito o diagnóstico durante os exames periódicos, geralmente, por volta dos quarenta anos de idade. O hipertenso quase sempre tem história de pressão alta na família. Os valores considerados altos são iguais ou maiores que 140/90 mmHg (14 por 9), em várias medidas, sendo que o valor recomendado é abaixo de 120/80 mmHg (12 por 8), pois o risco para as doenças cardíacas inicia em 115/75 mmHg (11,5 por 7,5) e dobra a cada 20 mm na pressão máxima e 10 mm na pressão mínima.

QUAIS AS CAUSAS DA PRESSÃO ALTA?

Em 90% a 95% dos casos, não há causa conhecida para a hipertensão, mas eventualmente, problemas endócrinos e renais, gravidez, uso freqüente de alguns medicamentos (anticoncepcionais, descongestionantes nasais, antidepressivos, corticóides e moderadores de apetite) e de cocaína, bem como doenças neurológicas, podem ser causas da hipertensão arterial.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA HIPERTENSÃO?

Muitas das vezes a hipertensão arterial é silenciosa, podendo se apresentar sem ou com sintomas:

- Dor de cabeça, predominando na nuca;
- Tonteiras;
- Zumbidos;
- Visão turva;
- Cansaço excessivo;
- Sangramento pelo nariz;
- Falta de ar.

Porém, estes sintomas nem sempre são causados pela hipertensão, podem ter outras causas. Por isso, a única forma de saber se a pressão está alta ou não é efetuando sua verificação. O ideal é medir pelo menos a cada 6 meses.

FATORES QUE INFLUENCIAM NA HIPERTENSÃO:

Idade: pessoas de todas as idades podem ser hipertensas, sendo mais comum a partir dos 40 anos, pois à medida que envelhecemos ficamos com maior sensibilidade a ingestão de sal, que provoca retenção de líquido, aumentando o volume de sangue que circula nos vasos, causando o aumento da pressão.
Raça: na raça negra costuma ser mais severa, em função de uma maior sensibilidade à ingestão de sal.
Fumo: agrava as doenças do coração, pois aumenta o ritmo de suas batidas, acelera o depósito de gordura na parede dos vasos, obstruindo-os.
Obesidade: o aumento de peso leva a um esforço cardiovascular, além do mais, também pode ocasionar outras doenças, por exemplo, doenças cardíacas, diabetes, excesso de gordura no sangue, riscos de derrame cerebral. A perda de peso aumenta o colesterol bom (HDL), reduz o colesterol ruim (LDL), mantém um bom controle do açúcar (glicose) no sangue, evitando maiores riscos para depósito de gordura nas artérias.
Álcool: entre 5% a 10% dos homens hipertensos têm como causa o alto consumo de bebidas alcoólicas. Estas bebidas possuem etanol que causa lesões no cérebro, coração e fígado. Além disso, dificultam a perda de peso e causam dependência.
Estresse: pode dificultar o controle da pressão alta.
Diabetes: associado à hipertensão, leva ao aumento das doenças cardiovasculares.

EFEITOS DA HIPERTENSÃO NOS ÓRGÃOS:

Olhos: lesões na retina com turvação, podendo levar à cegueira.
Rins: pode sofrer lesões nas artérias e na filtração, possibilitando a insuficiência renal e/ou sua paralisação.
Coração: a pressão alta causa aumento de carga no coração. As fibras ficam mais espessas, causando esforço e falência. A angina (dor no peito) é freqüente quando a pressão alta não é tratada, podendo ocasionar o infarto.
Sistema Nervoso Central: ocasiona dores de cabeça, tonteiras, síncopes. O Acidente Vascular Cerebral (derrame) é uma complicação bastante freqüente nos hipertensos não controlados. Com a pressão elevada, pode haver uma ruptura dos vasos cerebrais, com hemorragia cerebral ou espasmo com isquemia (falta de circulação), em determinada área do cérebro.

O QUE FAZER EM CASO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL /PRESSÃO ALTA?

Mude os hábitos de vida:

- Diminua o sal da comida. Nunca ultrapasse 6 gr/dia, ou seja 1 c.chá para toda alimentação do dia. Retire o saleiro da mesa. Use temperos naturais como limão, cebola, alho e cheiro verde, orégano e hortelã. Evite conservas, picles, embutidos (salsichas, mortadela, lingüiça, etc), salgadinhos para aperitivos, queijos em geral, preferindo os brancos ou ricota sem sal.
- Diminua ou abandone o consumo de bebidas alcoólicas As bebidas alcoólicas, em grande quantidade, podem aumentar os efeitos dos remédios que baixam a pressão, reduzindo-a exageradamente. Não deixe de tomar os remédios para beber. O ideal mesmo é abolir o consumo de bebidas alcoólicas!
- Prepare-se para parar de fumar de vez, reduza o número de cigarros de acordo com suas possibilidades. Parar de fumar é difícil, mas não impossível. Procure ajuda médica.
- Controle o estresse, planejando melhor suas atividades para evitar acúmulos; diminua o nível de exigência consigo mesmo e com os outros; planeje férias, descanse.
- Realize atividades físicas, exercícios. Pergunte a seu médico se sua pressão está controlada e se você pode começar a se exercitar.
Perca peso. A alimentação deve ser planejada individualmente, evite dietas milagrosas!

O tratamento da hipertensão exige uso permanente da medicação apropriada. A interrupção do tratamento leva ao retorno da pressão elevada e a complicações.