Promovendo Saúde

DOENÇAS CRÔNICAS - PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO

Filho sendo abraçado pela mãe com irmão ao lado.

DOENÇAS CRÔNICAS - PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO

As doenças crônicas possuem desenvolvimento lento e duram períodos extensos, por mais de seis meses, apresentando efeitos a longo prazo e difíceis de prever.

A maioria dessas doenças não tem cura, como diabetes, asma e hipertensão arterial. Entretanto várias delas podem ser prevenidas ou controladas por meio da detecção precoce, adoção de hábitos saudáveis, dieta, prática de exercícios e acesso a tratamento adequado, recomendado pelo profissional de saúde.

Os idosos constituem a população mais acometida pelas doenças crônicas. Isso ocorre porque a incidência de doenças como hipertensão arterial, diabetes e patologias cardiovasculares eleva-se com a idade.

Conheça a seguir as principais doenças crônicas, formas de prevenção e principais sintomas, para um diagnóstico precoce e mais eficaz.

 

HIPERTENSÃO ARTERIAL

A hipertensão arterial sistêmica é uma doença em constante crescimento na população mundial, cuja prevalência eleva-se com o envelhecimento. Mais de 50% dos indivíduos entre 60 e 69 anos são afetados. Esse número sobe para 75% dentre aqueles com mais de 70 anos.

É considerada uma doença silenciosa, pois na maioria dos casos não são observados quaisquer sintomas no paciente. Quando aparecem sintomas, geralmente são vagos e comuns a outras doenças, como dor de cabeça, tonturas, cansaço, enjoos, falta de ar e sangramentos nasais.

Apesar da disponibilidade de tratamento efetivo, infelizmente mais da metade dos pacientes o abandonam em até um ano após o diagnóstico. A hipertensão mal controlada pode levar ao comprometimento de diversos órgãos, como coração, rins, olhos e sistema nervoso central. É imprescindível controlar a pressão arterial.

Para a Organização Mundial de Saúde, os valores admitidos da pressão arterial são:
• 120 x 80 mmHg – normal
• 130 x 85 mmHg – limítrofe
• 140 x 90 mmHg – hipertensão

Embora não exista cura para a hipertensão arterial, é possível um controle eficaz, com a reformulação de hábitos de vida e correta medicação, sempre com a orientação médica (nunca se automedique). Isto permite ao paciente uma melhor qualidade de vida.

 

DIABETES MELLITUS

É uma doença caracterizada pela elevação anormal da concentração de glicose no sangue, que leva a sintomas agudos e complicações crônicas. Veja a seguir os tipos:.

• Diabetes Mellitus tipo 1: Atinge principalmente crianças e adultos jovens. Os portadores deste tipo de diabetes são incapazes de produzir insulina, fazendo com que a glicose permaneça circulando no sangue. Neste caso é necessário o uso de injeções diárias de insulina para regularizar o metabolismo da glicose.

• Diabetes Mellitus tipo 2: Ocorre com mais frequência em adultos com obesidade, porém atinge hoje crianças e jovens. Esses pacientes produzem quantidades insuficientes de insulina, porém nem sempre necessitam de doses diárias da mesma. Corresponde a 90% dos casos de diabetes.

Principais sintomas: Muita sede • Vontade de urinar diversas vezes • Fome exagerada • Perda de peso (mesmo comendo mais do que o habitual) • Infecções repetidas na pele e mucosas • Fadiga (cansaço inexplicável).

Principais complicações:
• Infarto agudo do miocárdio (IAM) e acidente vascular cerebral (AVC).
• Neuropatia diabética (formigamento e/ou dormência nas pernas, fraqueza e/ou atrofia muscular, distúrbios digestivos e impotência).
• Nefropatia diabética (alteração nos vasos dos rins, fazendo com que eles reduzam sua função de filtrar o sangue, até sua paralisação total).
• Retinopatia diabética (lesões que surgem na retina, podendo causar pequenos sangramentos e, como consequência, a perda da acuidade visual e a cegueira).

 


DOENÇAS CARDIOVASCULARES

As doenças cardiovasculares representam a principal causa de morte no Brasil e são também uma importante causa de incapacidade. Ocorre essencialmente pelo acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos. Veja as principais consequências, que são frequentemente súbitas e inesperadas.

Acidente Vascular Cerebral (AVC)

É o que as pessoas costumam denominar “derrame”. Pode ser definido como um déficit neurológico causado pela interrupção do fluxo sanguíneo à uma determinada região do cérebro. Tipos de AVC:

• Isquêmico – ocorre a oclusão (entupimento) de um vaso sanguíneo que interrompe o fluxo de sangue à uma região específica do cérebro, interferindo com as funções neurológicas, com déficits característicos.

• Hemorrágico – ocorre a ruptura de um vaso sanguíneo encefálico, causando hemorragia e complicações como aumento da pressão intracraniana, edema (inchaço) cerebral, entre outras.

Principais sintomas: Fraqueza • Distúrbios visuais • Perda sensitiva (dormência e diminuição de força) • Alterações da linguagem e da fala • Convulsões.

Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

É a obstrução total do fluxo sanguíneo, causando necrose (morte) do tecido e das células cardíacas que deveriam estar sendo irrigados pela artéria obstruída.

Quanto maior a área do coração privada de sangue, mais extenso e grave é o infarto. Infartos fulminantes são aqueles onde uma artéria importante é obstruída, levando a necrose de uma grande área do órgão, causando parada cardíaca.

Sabe-se que os homens têm maior chance de desenvolver infarto agudo do miocárdio, porém o número de casos entre as mulheres vêm aumentando, principalmente pelo uso de pílulas anticoncepcionais e fumo.

Principais sintomas:
Normalmente, o sintoma inicial é uma dor muito forte no meio do tórax, atrás do osso central da caixa torácica, o esterno. Esta dor é em aperto, podendo ser também uma queimação. Outros sintomas incluem:
• Dor forte no pescoço e região esquerda da mandíbula.
• Dormência e sensação de formigamento no braço esquerdo.
• Palpitação, taquicardia e escurecimento da visão.

 

Um estilo de vida saudável ajuda a manter o corpo em forma e a mente alerta, a nos proteger de doenças e a impedir que as doenças crônicas piorem.

Isto é importante porque, à medida  que o corpo envelhece, começa-se a notar alterações nos músculos e nas articulações e um declínio na sensação de força física.

Um estilo de vida saudável inclui a saúde preventiva, evitar o estresse,  boa nutrição, controle do peso, recreação, exercícios regulares e evitar substâncias nocivas ao organismo (álcool e fumo).